sábado, dezembro 29, 2012




E lá se foi Bradbury
 
 

Conheci o magistral Ray Bradbury lá pelo final dos anos 70 ou início da década de 80, ao ler “O Homem Ilustrado”, lançado em formato de bolso nas bancas de revistas e que teve sua versão cinematográfica.  Comecei a ler e fiquei deslumbrado a partir do prólogo, parando nos intervalos da faina e outras atividades necessárias até concluir a leitura em pouco mais de três dias, após reler algumas das histórias, envolvido por um estilo espetacular. As centenas de contos que eu lera antes não se comparavam aqueles, cada qual mais diferente. Um dos numerosos exemplos da criatividade do autor na arte de escrever é “Fahrenheit 451”, uma história, que também teve sua versão cinematográfica, sobre um país onde os livros foram proibidos e os que eram encontrados eram queimados. As criações literárias do velho Brad quase sempre se passam no futuro e em outros planetas. E há também algumas com seus personagens voltando ou fugindo ao passado. São como as parábolas, descrevendo traços da alma e do comportamento humano. E “O Homem Ilustrado” traz em seu prólogo um homem que teve seu corpo totalmente tatuado por uma estranha mulher que sumiu após o serviço deixando gravado um turbilhão de astronaves, fontes, gentes, rios, montanhas, estrelas, planetas, dispersos numa galáxia que lhe descia pelo peito, predizendo o futuro e que se moviam à noite, ganhando vida própria. E o narrador, um viajante que se encontra com o homem ilustrado, mais tarde, quando descansavam à noite em uma área de camping, experimenta a sensação de ver tal magia. E cada conto do livro corresponde a uma figura do tatuado, cada qual sem conexão com os demais, num final surpreendente. Até então eu já lera vários contistas e romancistas, entre os quais, os patrícios Jorge Amado, Machado de Assis, José de Alencar, Érico Veríssimo, Humberto de Campos, os estrangeiros Herman Hesse, Sartre, Hemingway, Victor Hugo, Exupery, Alexandre Dumas (pai e filho), Voltaire, Irmãos Grimm, Hans Andersen, as fábulas de Esopo, Mark Twain, Sidney Sheldon, Frederick Forsyth, mas nada parecido com o que escreveu o americano Bradbury. Depois li outras obras suas: “O país de outubro”, “Os frutos dourados do sol”, “As máquinas do prazer” (nenhuma conotação lasciva), “Crônicas marcianas”. Não possuo mais o primeiro exemplar adquirido que tomou outro rumo (de outras mãos) levando-me a adquirir outro e mais outros, a medida que saíram de meu domínio. O que tenho atualmente é uma edição lisboeta  e deve ser o quarto ou quinto exemplar adquirido, além de alguns dos títulos citados. Minhas irmãs também leram, releram e se deliciaram com os contos do mestre Bradbury que se foi para sempre no dia 5 deste mês de junho*, quando estava em Los Angeles.

(*)Texto escrito em 13/6/2012.

 

Nenhum comentário:

Refletindo com Rubem Alves O ntem recebi com alegria a informação que uma pessoa amiga disse a outra estar sentindo falta de meus esc...