quinta-feira, junho 12, 2014







Vai começar outra vez


Após meio século o torneio de futebol mais badalado do Mundo vai começar hoje de novo aqui no país dos brazucas. Aliás, esse termo “gentílico” acabou inspirando o batismo da bola do torneio, em que pese, como assinala o crítico literário Sérgio Rodrigues, que o termo nasceu em Portugal com tom depreciativo aos brasileiros. Não percebo desta vez a empolgação de outras, mesmo elas acontecendo fora daqui. Os repórteres setoriais das emissoras de TV cumprem seu papel, buscando estimular o povo, criando bordões, vinhetas e outros recursos animadores. Mas, nem mesmo assim o clima parece com o de outras épocas (82, 94, 98 e as outras três do atual século). Nos carros automotores um entre 50 aparece com uma bandeirinha ou adereço verde-amarelo. Lembro da decepção em 82 e também quando um político esperto, ainda no meio de sua trajetória política, disse, após o fiasco no Sarriá, que as eleições diretas para governador, após duas décadas acontecendo de forma indireta, fariam o povo esquecer o vexame da “seleção das galáxias”, como chegou a ser chamado o escrete canarinho daquela copa. Se ocorrer como das últimas vezes, só mesmo quem vai lamentar de verdade é o torcedor ingênuo como eu já fui. Meu filho de 9 anos contava os dias e agora as horas, como há pouco, lembrando em voz alta que faltavam 4 horas. Os políticos ávidos pela reeleição, de olho nas eleições daqui a menos de quatro meses, para gastar e embolsar o nosso dinheiro, parecem impacientes para que isso acabe (ufa) logo, de qualquer jeito, indiferentes, seja qual for o resultado. Os jogadores “estrangeiros” do time penta, vencendo ou perdendo, retornarão para seus países de “origem” ganhando os mesmos salários fabulosos. E mesmo perdedores continuarão em evidência. Continuarão a fazer os comerciais de eletrodomésticos, bebidas, operadoras de aparelhos celulares e outros produtos. De igual forma o técnico poderá ou não ser despedido, pois parece ser mais que amigo do surripiador de medalhas, atual dono da CBF. E se sair perdedor do título da mesma forma quase nada acontecerá com suas finanças, pois, sairá com os bolsos atopetados de dinheiro. Mas, cá pra nós, tem muita coisa estranha nesse angu. E a conquista do torneio lançará por terra vários protótipos da massa em torno do técnico, principalmente aquele de que um raio não cai duas vezes no mesmo lugar. Se ganhar, vai ser o primeiro na história do selecionado brasileiro a ganhar duas vezes como titular (Feola em 58, Aymoré em 62, Zagalo em 70, Parreira em 94 e o próprio em 2002). Vai ser o técnico que não deu certo na Europa, mas deu na copa de seu país. Vai ser aquele que assumiu o elenco de mais títulos, vindo de um clube que acabara de ser rebaixado para a série B, mesmo que antes tenha ganhado a imprevisível Copa do Brasil. Vai quebrar a escrita de que quem ganha a Copa das Confederações não ganha a Copa do Mundo. Bem, tem muita coisa ainda para dizer. Por hora irei acompanhar o desenrolar dos acontecimentos. Já está prestes a ser executado o hino nacional da partida de abertura.